Um aviso, leiam por favor.

Sobre mim: não estou com criatividade e disposição para escrever, darei um tempo no blog.
Sobre meu futuro: Estou entrando no meio musical e se tudo der certo,estarei começando um projeto com alguns músicos que se interessaram em mim.
Sobre o diário de Kodlak: O terceiro capítulo é muito importante para mim, preciso de total dedicação e resgatar uma inspiração que já não tenho a tempos, irei tentar continuar a escreve-lo, mas não se assustem caso ele não se faça presente no blog nunca mais.
Sobre vocês: Obrigado por tudo, creio que meu coração não me deixará me despedir sem um último poema, esse é para vocês:

Acabei de escrever, se chama flores:

 

Não é estranho pensar que algo que lhe salvou a vida pode ser o motivo do fim?
Não é estranho pensar que eu faço o que eu faço e muitas vezes não faço por mim?
Não é estranho pensar que as letras, músicas e caretas vêm tão fácil assim?
Eles perguntam se é tão difícil esse belo ofício e eu minto dizendo que sim.

Infelizmente ou felizmente esse é um ato tão natural,
que quase não me exige muito e não muito mais que um dia normal,
dês de uma pequena palavra que se encaixa tão bem que não se tem igual,
ou de um sorriso sincero ou o choro mais belo que nem sempre é mau.

E se não fosse a raiva e se não fosse a dor fazendo eu me expressar,
E se não fosse a felicidade de ver a verdade flutuando nas brisas do ar,
E se não fosse o sentimento louco, leve e lento ao ver um artista cantar,
Eu não estaria aqui cantando ou então tentando em fim me explicar.

E sei que sou como as flores no meu simples e agradável quintal,
sensível, frágil, fraco dançando com o vento observando as roupas no varal,
que de vez em quando desfloresce e então se esquece lá no matagal,
mas que um dia floresce seja por uma prece ou motivo banal.  

Até algum dia meus amigos…

Cubos de gelo

Nós somos dois cubos de gelo,
e estamos pegando fogo,
cinco centímetros…  Um pouco distantes,
aguardando o desafogo.

Só estaremos juntos,
quando em fim derretermos,
mas isso parece,
violar alguns termos.

Acontece que eu já me liquefiz,
e logo vou evaporar,
e caso você não se derreta,
não poderá mais me tocar.

E só ficaremos juntos,
quando ambos nos transformarmos em vapor,
é triste pensar assim… Mas você sabe,
Romeu e Julieta meu amor,
Romeu e Julieta meu amor.

Simples palavras do onipotente

Olhe para ele,
Andando com o seu all star,
Sua calça jeans,
E sua camisa xadrez.

Ele está com aquele sorriso no rosto,
Fazendo sua perfeita cara de idiota,
É… Esse cabelinho cresceu,
Está excepcionalmente comum.

Você consegue acreditar?
 Que nunca mais irá ver esse desengonçado,
Esse idiota que vive caindo no meio da rua…

 O que posso fazer?
Ele me implorou,
com algumas lágrimas no rosto.

 E quem consegue acreditar?
 Que aquele garoto que vivia sorrindo,
 E que fazia os outros sorrir,
 Nunca mais vai desenhar.

E quem quer acreditar?
Que aquele atrapalhado,
que fazia da própria tragédia sua melhor piada,
Nunca mais vai falar alguma palavra,
Sobre músicas,
 Poemas,
 Pinturas,
 Vivências.

O que posso fazer?
Ele me implorou com algumas lágrimas no rosto,
 Com lágrimas no rosto apenas,
 Lágrimas no rosto.

Charles

Não se trata do Darwin,
mas cria belas teorias,
se faz mentor,
esculpe,
ficções e fantasias.

Não se trata do Manson,
mas sua loucura contagia,
descreve,
narra,
com palavras que eu usaria.

Lembra-se do cabelo verde?
E a sua teoria?
Ela sempre esteve correta Charles,
mas sem uma mente fértil,
como o cabelo cresceria?

E como seria um mágico,
esperançoso em sua estreia,
qual seria a magia,
se não houvesse uma plateia?

E de mim o que seria?
Sem me expressar com certo amor,
o que seria uma grande peça?
Sem um grande telespectador?
O que seria das minhas obras?
Sem um grande interpretador?

E esse sentimento de total compreensão?
Sentimento que nunca se esvai,
é um sentimento sempre presente,
de um segundo filho,
para um segundo pai.

E seus ensinamentos são como livros,
que eu guardo em um belo e rústico armário,
que um dia me ensinarão,
a ser livre como um canário,
só mais uma coisa meu segundo pai…
Feliz aniversário.

Memórias

Sim, eu tenho uma boa memória, talvez porque eu seja muito sensível e goste tanto dos mínimos detalhes… Eu me lembro de tudo, cada momento, cada sorriso, todos os sentimentos, as lembranças são como músicas para mim, aprecio cada nota, das mais graves até as mais agudas, cada instrumento, a harmonia torna tudo uma grande obra e grandes obras jamais são esquecidas, sempre foi música, sempre foram as expressões.
 Sempre que me perco em algumas memórias elas vêm acompanhadas de alguma melodia,
tornam-se poesia. Não se engane, todas as memórias são belas, quando chega a minha deixa, eu crio, construo, eu faço a melodia, eu faço minha memória…

Algumas memórias que vivi e quero que você viva também:   https://www.youtube.com/watch?v=ZeDo42OKN9g

Devaneio

Bêbado e com crise de ansiedade escrevi,
palavras que não imaginaria,
bêbado e com crise de ansiedade escrevi,
tudo que meu corpo queria…                       
                                                                  

” Não se preocupem, nada está sob controle”

Continuar lendo Devaneio